Destaques
Sejam bem vindos ao Allie X Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira de notícias para a cantora e compositora, Allie X. Aqui vocês encontrarão as últimas notícias e outros conteúdos sobre Allie, nos sigam em nossas redes sociais para notícias em tempo real! Esperamos que gostem e voltem sempre!
Northern Transmissions: ALLIE X realmente escuta seus fãs

Allie X é o tipo de artista peculiar no mundo do pop eletrônico nesses dias. Sua música enquanto é grudenta o bastante para conseguir seguidores e contratos de licenciamento, é ao mesmo tempo cheia de camadas, complexa e detalhadamente feita para o pop que funciona para todos. De uma criatividade sem fim, suas músicas vão além da música, com tanto conteúdo extra que até mesmo os fãs podem criar suas próprias músicas a partir disso. Falamos com Allie X sobre seu novo álbum, desistir da escola no começo da carreira e seus princípios, e como ela conseguiu fazer com que seus fãs a ajudassem a moldar seu processo de arranjamento.

Northern Transmissions: Como foi o processo de escolher as suas músicas através de seus fãs que usaram o projeto Ʉnsolved aonde você colocava demos online, e algo inesperado aconteceu deste processo?

Allie X: Estou sempre tentando fazer as coisas de uma maneira experimental. Quero envolver os fãs. X é para ser algo que todos nós compartilhemos. Eu tinha 50 demos para esse álbum e eu estava com problemas para encontrar a direção sonora, então eu senti que eu realmente precisava que os fãs dessem um passo a frente e dissessem o que eles estavam gostando e o que não estavam de acordo. Muito retorno interessante veio, meus fãs são bem honestos e ousados, eles não apenas me disseram suas opiniões sonoras mas também sobre a estética.

NT: Qual a sua maior esperança quando coloca as stems das músicas para seus fãs?

AX: Como eu disse, X é algo para adotarmos ao encontrar a sua própria verdade e expressão, então eu estou sempre tentando encontrar jeitos de encorajar isso. Gosto de quebrar o que crio em pedaços que você possa pegar o que quiser. Remixe, rearranje, essa é a ideia.

NT: Você sente que seu treinamento clássico te permitiu criar música pop que é muito mais complexa, e como você acha que isso te ajuda em seu trabalho atual?

AX: Sempre tive essas melodias pop em mim. Sempre que eu ia compôr algo sempre tinha essa orientação mais pop e épica para as melodias. Parcialmente isso é por causa dessa criação clássica e teatral que tive porque tudo o que eu criei era realmente dramático. É também porque eu cresci ouvindo Celine Dion, assistindo Titanic. O que faz de tudo mais interessante e complexo, se é que isso é verdade, é que eu sou uma pessoa estranha. Peque todas essas influências e coloque elas num processador, esse é meu cérebro. Falando em produções, eu sinto que eu estou muito envolvida no processo de produção e sou muito atraída para vocais não editados, analógicos e sons ferrados, o que acaba contribuindo para o senso teatral.

NT: Revisitando o material que você gravou antes de iniciar o projeto Allie X, você fez uma mudança muito radical de uma instrumentação mais típica para um som eletrônico mais dinâmico. O que causou exatamente essa mudança, considerando a diferença crua?

AX: Não foi algo tão consciente como você faz soar. A verdade é que eu comecei a escrever músicas seriamente quando saí da escola. Tudo o que eu tinha era a habilidade de tocar piano e o que me influenciava até então. Então eu fazia música que soava mais com o que eu tinha em meu set de equipamentos. Então eu me tornei amiga de músicos eletrônicos, graduados em jazz de Toronto. Até mesmo naquele momento eu ainda não tinha ideia sobre sonoridades ou como produzir. Me levaram quatro ou cinco anos para começar a aprender Ableton. Naquele momento eu já tinha um conhecimento mais diverso do que é música. Eu não conseguia mais encontrar meu lugar em Toronto, eu não fazia exatamente as coisas que funcionava na cena musical de onde eu sou natural. Então eu parei de lançar músicas e comecei a escrever sozinha em meu apartamento. Percebi então que eu queria fazer tinha que ser pop e eletrônico. Naquele momento eu descobri algo a mais em minha identidade, que você refere como projeto. Quando me mudei para Los Angeles eu já tinha meu som e queria um começo fresco, então isso era conceitualmente o que eu iria colocar pro mundo.

NT: O que te inspirou a seguir algo mais minimalista, depois da produção densa de seu último projeto?

AX: É sobre evolução, novamente. No último álbum eu coloquei muitas camadas, e gerei um campo de sons. Quando eu ouço agora é até engraçado, porque esse novo projeto na realidade soa ainda maior. A mixagem tem mais equilibrio e é bem acabada. É uma lição que aprendi. Quando você começa a remover partes e focar nas mais importantes, tudo ganha foco. Aprendi essa lição quando comecei a trabalhar nesse novo álbum, então foi bem intencional, apenas olhando sobre tudo o que eu tinha e pensando: “Que partes dessas eu posso perder?”, e estou muito feliz com o resultado.

NT: Aonde você encontrou o tempo para criar todos esses diferentes pedaços de mídia como gifs, vídeos, quadrinhos para a sua música, ou é sobre criar uma constante forma de criatividade para você? Você cria todos esses sozinhas ou busca outras fontes para a arte visual?

AX: Eu considero esse um projeto multimídia e eu não acredito que você consegue um panorama completo baseado na música apenas. Acho que a música é forte o bastante pra caminhar sozinha, mas você só vai entender o mundo que estou criando por completo se você puder vê-lo e sentir o ambiente. Meus fãs também amam, porque eles conseguem ser uma parte desse mundo graças a isso. Tenho o controle sobre tudo o que lançpo, mas sou uma pessoa criativa com maior talento em curar as coisas que quero e dirigir as pessoas, com ideias abstratas. Os quadrinhos que lancei, “The Story of X” que vem com todo projeto que eu lançar, é uma versão abstrata da minha própria história. Mas eu trabalho com meu amigo Matt Murray, que escreveu a cópia para isso e eu apenas edito e dirijo.

NT: Considerando a quantidade de trabalhos que você se envolve, o que vem a caminho?

AX: Tenho muito conteúdo planejado para levar os fãs em uma jornada com esse corpo de trabalho, muitas surpresas e conteúdo para os próximos meses.